domingo, 28 de julho de 2013

VAQUINHA VIDA E AUSTIN

Para ajudar nos custos dos dois equinos que estão hospedados no Rancho Rafael em tratamento,lançamos essa vaquinha  com duas semi jóias como prêmios.




                         Primeiro sorteado ganhará esse lindo brinco Kiss em ródio e pedrarias.

      e no segundo sorteio essa linda corrente com pingente de gatinho da sorte,folheado á ouro.


sorteio feito no projeto

Valor de doação:

Qualquer valor que puder doar.

Pagamento por depósito bancário

Participantes:

1- Regiane Ferraciolli - R$100,00  

2-Gizelda -R$80,00

3 - Hana -R$20,00

4 -Wladimir -15,00

5-Auris Silva - 20,00

1º PRÊMIO 

1 PAR DE BRINCOS KISS -REGIANE

2º PRÊMIO - AURIS SILVA

A CORRENTE COM PINGENTE GATINHO DA SORTE

PARABÉNS ÁS GANHADORAS E OBRIGADA PELA PARTICIPAÇÃO



terça-feira, 23 de julho de 2013

TELA EM PASTEL PARA AJUDAR NO TRATAMENTO DO AUSTIN

Austin é um cavalo que foi abandonado nesse estado em que mostra o vídeo e agora pertence ao Projeto e vamos habilitá-lo para posterior adoção responsável.


Tentamos tratamento com lavagem água fria e morna e massagem com pomada ,mas não recolhe mais o pênis,não tem como,criou nódulos,terá que amputar o membro e na mesma cirurgia será castrado.




                                                    Super magrinho ,maltratado




Mais fotos:

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.390111171100984.1073741939.173036799475090&type=3


Para ajudar no custeio do tratamento,habilitação , exames de AIE,Mormo,alimentação,suplementos  e tudo mais que ele precisar,estamos lançando essa rifa.

A Tela abaixo é apenas um modelo,o ganhador deverá enviar foto do seu animal de estimação para que o retrato seja feito.


como é feito o retrato 


Saiba mais sobre o Trabalho da Érica :

http://pastelpet.blogspot.com.br/


Austin agradece a Artista Plástica Érica Kamisaki pela doação da obra e também todas as pessoas que irão ajudá-lo através desse lindo trabalho.

Cada número custa R$10,00

Deverá ser depositado na conta:


Caixa Econômica Federal

Agência 1438

Código operação 013

Conta Poupança 15504-3

Patricia Mateus


CONFIRMAR DEPÓSITO POR EMAIL:projetovidanimal@hotmail.com

SORTEIO 



Pela extração da loteria federal no sábado seguinte ao fechamento da rifa.


Concurso n. 04789



(17/08/2013)
Sorteio realizado em:
CÍCERO DANTAS/BA (Caminhão da Sorte)
Prêmio           Bilhete (R$)
17.498


                         Frete:


Por conta do ganhador



ESCOLHA SEU(S) NÚMERO(S)

01-Margareth
02-Fernanda di Fiori
03-Fernanda di Fiori
04-Fernanda di Fiori
05-Margareth
06-Fernanda di Fiori
07-Fernanda di Fiori
08-Fernanda di Fiori
09-Fernanda di Fiori
10-Fernanda di Fiori
11-Fernanda di Fiori
12-Fernanda di Fiori
13-Luciana Bronzato
14-Sandra Soto
15-Sandra Soto
16-Sandra Soto
17-Sandra Soto
18-José Donizeti de Oliveira
19-Marcelo Lima
20-Marcelo Lima
21-Margareth
22-Marcelo Lima
23-Marcelo Lima
24-Marcelo Lima
25-Marcelo Lima
26-Marcelo Lima
27-Marcelo Lima
28-Marcelo Lima
29-Marcelo Lima
30-Margareth
31-Marcelo Lima
32-Marcelo Lima
33-Marcelo Lima
34-Marcelo Lima
35-Marcelo Lima
36-Marcelo Lima
37-Marcelo Lima
38-Marcelo Lima
39-Marcelo Lima
40-Margareth
41-Fernanda di Fiori
42-Fernanda di Fiori
43-Marcelo Lima
44-Luciana Bronzato
45-Regina(psicóloga)
46-Regina(psicóloga)
47-Regina(psicóloga)
48-Regina(psicóloga)
49-Regina(psicóloga)
50-Regina(psicóloga)
51-Regina(psicóloga)
52-Regina(psicóloga)
53-Regina(psicóloga)
54-José Donizeti de Oliveira
55-Regina(psicóloga)
56-Regiane Ferraciolli
57-Regiane Ferraciolli
58-Regiane Ferraciolli
59-Regiane Ferraciolli
60-Regiane Ferraciolli
61-Regiane Ferraciolli
62-Regiane Ferraciolli
63-Regiane Ferraciolli
64-Regiane Ferraciolli
65-Regiane Ferraciolli
66-Leane Soares
67-Leane Soares
68-Leane Soares
69-Leane Soares
70-Leane Soares
71-Leane Soares
72-Leane Soares
73-Leane Soares
74-Ecologie
75-Cica Pinheiro
76-Cica Pinheiro
77-Cica Pinheiro
78-Cica Pinheiro
79-Cica Pinheiro
80-Cica Pinheiro
81-Cica Pinheiro
82-Cica Pinheiro
83-Cica Pinheiro
84-Cica Pinheiro
85-Marjorie
86-Marjorie
87-Marjorie
88-Suzana(pag seguro)
89-Marjorie
90-Marjorie
91-Marjorie
92-Marjorie
93-Marjorie
94-Suzana(pag seguro)
95-Jéssica Lessa(á pagar)
96-Jéssica Lessa(á pagar)
97-Jéssica Lessa(á pagar)
98-José Donizeti de Oliveira
99-Marjorie
00-Marjorie

sábado, 20 de julho de 2013

Cavalo Appaloosa abandonado

Semana retrasada fomos visitar a Vida no rancho e nos deparamos com esse cavalo que tinha sido recolhido pelo zoonoses ,magro,debilitado ,com vários ferimentos e com priapismo.
Ele não recolhe mais o pênis.
Precisa de cirurgia que só é feita na USP.
Aqui ninguém faz,não tem centro cirúrgico para Equinos.
Infelizmente é mais um que senão for ajudado morrerá ao descaso.
O dono não o quer mais porque vai ter que gastar no tratamento.
Então nós vamos ajudar e posteriormente será disponibilizado para adoção responsável.

Precisamos de ração,suplementos ,ajuda para AIE e Mormo,atendimento veterinário,hospedagem  e o que mais ele precisar.






Ele é bem mansinho e bonzinho,só precisa de uma chance!


Estamos abrindo uma rifa para ajudar nos custos,pois agora estamos com ele e a Vida em tratamento no rancho,os custos dobraram.

Crepeira e Hot Dog - Britânia











Essa incrível crepeira e hot dog faz 3 crepes de 20 cm de uma só vez, possui rebaixo para apoio de palitos, luzes indicadoras de funcionamento e aquecimento, as chapas possuem revestimento antiaderentes, deixando a crepeira muito mais fácil de limpar. Ela prepara crepes doces e salgados, seu aquecimento é rápido e os pés anti-deslizantes, além de tudo ele pode ser armazenado na posição vertical, tem trava na tampa e acabamento em inox.
Informações técnicas


MarcaBritânia
ReferênciaCREPEIRA.
CorPreto e Prata
ModeloCrepeira e Hot Dog
Prepara
03 crepes ou 03 hot dogs no palito de uma só vez.
Potência
850 Watts.
Placa
AntiaderenteSim
Armazenamento
horizontal e vertical
Base antiderrapante
sim
Voltagem
110 Volts
Consumo aproximado de energia
0,8 kWh.
Peso aproximado
Peso do produto1 kg.
Peso do produto com embalagem1,2 kg.
Dimensões aproximadas
Produto(L x A x P): 230 x 105 x 240 cm.
Dimensões da embalagem(L x A x P): 248 x 122 x 524 cm.
Prazo de garantia
01 ano (sendo os 03 primeiros meses de garantia legal e mais 09 meses de garantia especial concedida pelo fabricante).
Pés antideslizantes
sim.
Fácil limpeza
sim.
Trava na tampa
sim.
Itens inclusos
- 01 crepeira e hot dog;
- 01 certificado de garantia;
- 01 manual do usuário;
- 01 mini folder




Pagamento por depósito bancário:

Conta:

Caixa Econômica Federal

Agência 1438

Código operação 013

Conta Poupança 15504-3

Patricia Mateus


CONFIRMAR DEPÓSITO POR EMAIL:projetovidanimal@hotmail.com

SORTEIO 


Pela extração da loteria federal no sábado seguinte ao fechamento da rifa.


Federal

Concurso n. 04783

(27/07/2013)
Sorteio realizado em:
CAICÓ/RN (Caminhão da Sorte)
Prêmio    Bilhete
  45.537




Frete:


Por conta do ganhador

Valor -R$5,00 cada número


Escolha seu(s)número(s):

01-Fernanda PG
02-Kaah Torres(pag seguro)
03-Leila Francisco
04-Kaah Torres(pag seguro)
05-Kaah Torres(pag seguro)
06-Leila Francisco
07-Nayara PG
08-Antônio PG
09-Kaah Torres(pag seguro)
10-Kaah Torres(pag seguro)
11-Kaah Torres(pag seguro)
12-Daniel PG
13-Isaías PG
14-Antônio PG
15-Kaah Torres(pag seguro)
16-Gizelda(á pagar)
17-Larissa Donaire
18-Gizelda(á pagar)
19-Larissa Donaire
20-Gizelda(á pagar)
21-Gizelda(á pagar)
22-Silvia D'Avola
23-Silvia D'Avola
24-Fernanda PG
25-Silvia D'Avola
26-Silvia D'Avola
27-Silvia D'Avola
28-Silvia D'Avola
29-Silvia D'Avola
30-Silvia D'Avola
31-Isaías PG
32-Silvia D'Avola
33-Silvia D'Avola
34-Antônio PG
35-Kaah Torres(pag seguro)
36-Kaah Torres(pag seguro)
37-Kaah Torres(pag seguro)
38-Kaah Torres(pag seguro)
39-Fabiola PG
40-Silvia D'Avola
41-Silvia D'Avola
42-Silvia D'Avola
43-Silvia D'Avola
44-Antônio PG
45-Silvia D'Avola
46-Silvia D'Avola
47-Silvia D'Avola
48-Silvia D'Avola
49-Silvia D'Avola
50-Silvia D'Avola
51-Silvana Coronado
52-Antônio PG
53-Kaah Torres(pag seguro)
54-Kaah Torres(pag seguro)
55-Kaah Torres(pag seguro)
56-Kaah Torres(pag seguro)
57-Leila Francisco
58-Isaías PG
59-Kaah Torres(pag seguro)
60-Kaah Torres(pag seguro)
61-Leila Francisco
62-Kaah Torres(pag seguro)
63-Antônio PG
64-Mauricio Naturalis
65-Mauricio Naturalis
66-Mauricio Naturalis
67-Mauricio Naturalis
68-Mauricio Naturalis
69-Mauricio Naturalis
70-Mauricio Naturalis
71-Isabelle Mendonça(pag seguro)
72-Isabelle Mendonça(pag seguro)
73-Larissa Donaire
74-Iara -PG
75-Mauricio Naturalis
76-Isabelle Mendonça(pag seguro)
77-Isabelle Mendonça(pag seguro)
78-Mauricio Naturalis
79-Mauricio Naturalis
80-Mauricio Naturalis
81-Mauricio Naturalis
82-Mauricio Naturalis
83-Mauricio Naturalis
84-Fernanda PG
85-Mauricio Naturalis
86-Mauricio Naturalis
87-Mauricio Naturalis
88-Silvana Coronado
89-Mauricio Naturalis
90-Mauricio Naturalis
91-Mauricio Naturalis
92-Mauricio Naturalis
93-Mauricio Naturalis
94-Isaías PG
95-Kaah Torres(pag seguro)
96-Kaah Torres(pag seguro)
97-Mauricio Naturalis
98-Mauricio Naturalis
99-Larissa Donaire
00-Mauricio Naturalis

sexta-feira, 19 de julho de 2013

LEPTOSPIROSE

A leptospirose é uma doença infecciosa, de notificação compulsória, causada pelas bactérias do gênero Leptospira. Trata-se de uma das mais freqüentes zoonoses, sendo observada principalmente nos meses mais chuvosos, em áreas alagadas e/ou deficientes em saneamento. Tanto os animais domésticos quanto os selvagens são reservatórios para esta enfermidade.



No cão, a leptospirose é caracterizada por doença renal e/ou hepática aguda, e às vezes pode levar a uma septicemia. Nos casos crônicos, observam-se seqüelas como doença renal crônica. Em gatos esta enfermidade é rara.

A enfermidade é causada pela Leptospira, uma bactéria aeróbia ou microaerófila, Gram-negativa, pertencente a ordem das espiroquetas. À microscopia observa-se morfologia em espiral, e freqüentemente um "gancho" nas extremidades da célula bacteriana. A leptospira não se multiplica fora do hospedeiro, e sua sobrevivência fora dele depende das condições do meio ambiente, sendo altamente sensível a ambientes secos e a pHs e temperaturas extremas. O patógeno pode sobreviver no meio ambiente por até 180 dias quando em solo úmido ou em águas paradas.

Tradicionalmente o gênero Leptospira era subdividido em 200 sorovares, baseado nas diferenças antigênicas. Todos os sorovares patogênicos eram classificados como L. interrogans, e os não patogênicos eram incluídos na espécie L. biflexa. Atualmente, o gênero é classificado de acordo com suas características genéticas, em 7 genoespécies, 28 sorogrupos e vários sorovares e genótipos. O cão é o hospedeiro primário das espécies L. canicola e L. bataviae, geralmente associadas aos sintomas clínicos mais graves. Apesar de menos freqüente, o cão pode também ser um hospedeiro acidental das outras espécies de Leptospira, como L. gipptyphosa, L. pomona, L. icterohaemorrhagiae e L.bratislava .


Leptospira penetra pelas mucosas ou pela pele lesionada. A transmissão em cães pode ocorrer por contato direto de animais infectados ou, mais freqüentemente, por transmissão indireta, onde um animal susceptível fica exposto a um ambiente contaminado. Entre o 4o e 11o dia de infecção, a bactéria invade a corrente sangüínea multiplicando-se rapidamente, dando origem a leptospiremia. No início desta fase observam-se febre, leucocitose, e albuminúria.


 Em animais susceptíveis, pode ocorrer a septicemia, onde a bactéria invade os órgãos pelos quais ela tem maior tropismo, ou seja, fígado, rins, baço, sistema nervoso central e olhos, podendo ocasionar grandes danos.

A Leptospira pode provocar petéquias ou equimoses, icterícia, infiltrado inflamatório difuso de células plasmáticas nos rins, necrose focal de parênquima hepático, colestase intrahepática com lesão hepática severa
. Neste estágio da doença o animal poderá sucumbir devido a uma insuficiência renal ou hepática. Ao final da bacteremia, 7 a 10 dias após a infecção, geralmente a febre diminui e a bactéria é eliminada da circulação sangüínea pelos anticorpos, o animal pode se recuperar. A recuperação é mais rápida quanto menores forem as lesões nos órgãos. No entanto, as bactérias que se alojaram em locais onde os anticorpos não têm acesso, como córneas e túbulos renais, podem levar a uveíte e leptospirúria. A leptospirúria, ocorre em uma fase mais tardia da enfermidade. Ela pode permanecer por meses até mesmo anos constituindo uma fonte de infecção para os outros animais. Nestes animais, a concentração de anticorpos decai, já que a bactéria, situada nos túbulos renais, não estimula o sistema imune. Estes animais podem apresentar-se soronegativos quando testados.



A sintomatologia depende de vários fatores, em especial do hospedeiro. Sabe-se que a bactéria adaptou-se aos reservatórios primários (roedores, animais silvestres) causando infecções crônicas ou assintomáticas com fraca resposta imune. Por outro lado, nos hospedeiros acidentais, as infecções costumam ser agudas, com elevada resposta imune. Em cães, a sintomatologia da leptospirose é variável, podendo apresentar-se sob as formas aguda, peraguda ou crônica. Os sinais clínicos dependem da idade do animal, imunidade do hospedeiro, fatores ambientais e a virulência do sorovar. Infecções peragudas levam à leptospiremia intensa, choque, e morte do animal. Em infecções menos agudas observam-se febre, anorexia, vômitos incoercíveis, desidratação, poliúria, polidipsia, e relutância ao movimento. Com a progressão do quadro pode surgir oligúria e anúria. Na forma crônica, podem não haver sinais clínicos evidentes. O animal pode apresentar febre sem motivo aparente e conjuntivite moderada a severa. No entanto, distúrbios renais e hepáticos crônicos podem surgir em conseqüência da leptospirose. Animais jovens que não foram vacinados, ou cujas mães não foram vacinadas, possuem um risco maior de desenvolver a doença peraguda, podendo levar o animal a morte devido a septicemia ou ainda intensa hemólise.


O diagnóstico da leptospirose consiste em detectar a bactéria no sangue ou na urina do animal acometido ou demonstrar um aumento nos títulos de anticorpos para um determinado sorovar. 

O diagnóstico laboratorial inclui hematologia, urinálise, sorologia e identificação da bactéria em tecidos apropriados. Paralelamente, deve-se realizar o diagnóstico diferencial para uma variedade de enfermidades, como anemia hemolítica autoimune, hepatite viral canina, neoplasia hepática, neoplasia renal, nos casos agudos; e de brucelose canina e herpesvírus (abortos) , nos casos crônicos . O objetivo principal do tratamento durante a fase aguda da doença é manter o paciente estável e prevenir a extensão das lesões no fígado e rins, além de suprimir a leptospirúria. Os animais em fase aguda necessitam de terapia intensiva de suporte dependendo da severidade do quadro. O prognóstico é reservado quando já está instalada a insuficiência renal e/ou disfunção hepática, e desfavorável em pacientes com choque ou coagulação intravascular disseminada. O uso de antibióticos inibe a multiplicação destes organismos reduzindo complicações. Vários antibióticos podem ser utilizados na eliminação da leptospiremia como penicilina, ampicilina, amoxicilina.

 Estudos mais recentes têm demonstrado alta eficácia da doxiciclina (5 a 10 mg/Kg BID) para o tratamento da leptospiremia e principalmente da leptospirúria. Não devem ser utilizados aminoglicosídeos e estreptomicina até a total recuperação da função renal. 

O controle deve ser feito através da vacinação dos animais, visto a impossibilidade de eliminar os reservatórios desta enfermidade. Este controle requer especial atenção, haja vista a alta taxa de mortalidade apesar dos tratamentos intensivos e de seqüelas irreversíveis.

 A vacinação tem sido efetiva reduzindo a prevalência e severidade da doença. Em 80% dos casos, o homem pode infectar-se indiretamente pelo contato com água contaminada com urina de animais infectados; ou diretamente por mordedura, manipulação de tecidos contaminados e ingestão de alimentos ou água contaminados.

 A contaminação direta entre pessoas é extremamente rara. A contaminação humana ocorre principalmente em áreas alagadas, e em profissionais de risco (agricultores, veterinários, etc.). É facilitada quando a pele está amolecida (pelo efeito da água) ou lesada. Os principais sintomas no homem são: febre (39o-40oC), tremores, dores de cabeça, mialgia, artralgia, astenia, irritação ocular e conjuntivite.


A primeira vacinação do cão contra leptospirose deve ser feita em três doses com 3 a 4 semanas de intervalo entre cada aplicação. Os reforços devem ser anuais em dose única.

. A vacina Vanguard, fabricada pela Pfizer, protege cães contra várias doenças inclusive as duas formas urbanas de leptospirose.

Algumas medidas são fundamentais para evitar a contaminação por leptospirose:
- Isolar o animal doente
- Cuidados com a higiene do local onde vive o animal. Lavar ambiente com água sanitária
-Não deixar sacos de rações abertos, evitando assim a presença de roedores.
- Ao manipular o animal usar luvas de látex.
- Controle dos roedores
-Evitar contato com a urina do animal
-Vacinação dos animais a cada 6 meses contra a leptospirose.

(GABRIEL CALISSI-CLINICA VETERINÁRIA PSVET) PERUÍBE-SP